Páginas

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Caindo a ficha - Noiva I.

Acho que finalmente comecei a entender e sentir mesmo o que é ser noiva. É pular de alegria quando surge uma nova e linda possibilidade de decoração do tão sonhado dia, é passar horas buscando inspirações de pessoas que você nunca viu, é ver vídeos e mais vídeos de outros casamentos e chorar de alegria, emoção, ansiedade e vontade de que o seu vídeo logo esteja pronto, e que você esteja sempre, todos os dias, ao lado do homem que ama. É querer provar todos os doces e salgados do mundo, para servir as melhores coisas para seu convidados. É querer ter o melhor fotógrafo, o melhor câmera e editor para que os melhores momentos sejam captados e nada do que foi feito com tanto amor, carinho e dedicação se perca. É contar todos os dias para entrar em lojas de móveis e eletrodomésticos, mobiliar a casa, fazer a mudança, arrumar as coisas de duas pessoas diferentes num espaço que será para sempre compartilhado. É não ter vontade de falar outra coisa que não casamento, flores e decoração. É ter vontade de a cada foto nova, ligar correndo para o noivo, para que ele possa palpitar, falar o que pensa, se gostou ou não. É na verdade, querer ter o noivo sempre por perto, para não precisar ligar e sim apenas chamá-lo para compartilhar cada momento da construção deste dia. É sentir falta da mãe por perto, porque quem melhor do ela para te conhecer os gostos e saber acalmar. É sentir falta de poder dividir cada escolha, cada decisão com ela e ver a emoção nos olhos dela em ver sua pequena, sua filhinha rumando para a própria vida. É sentir medo de de não agradar todo mundo, mas mais ainda de não agradar a si e ao noivo, que no fim são quem deve amar o próprio casamento. É ficar emotiva o tempo todo, chorar por tudo e precisar sempre de um abraço. 

Enfim, é construir seu maior sonho ao lado de seu grande amor.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Twenty-four.

Vinte quatro meses de alegrias, sorrisos, lutas, carinhos, risadas, companheirismo. Vinte quatro meses de que a vida me foi devolvida, e tudo tornou-se alegria e cores em meu espírito. Vinte e quatro meses, que ao olhar para trás, parecem ter sido muito mais, de tantas batalhas e alegrias que dividimos. Mas ao mesmo tempo, um número que parece tão pequeno, tão simples perto de tudo que ainda viveremos. Sei que nossas lutas ainda não acabaram, mas sei também que as alegrias serão infindáveis, incontáveis, e teremos sempre um ao outro.

Obrigada, meu bem.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Num Natal.

Mais um Natal se foi e deixou no coração daquela pequena lembranças boas do que passou ao lado das pessoas que ama, e também a lembrança de algo que nem mesmo aconteceu ainda. Ela se viu através das cortinas dos sonhos, sentada em sua casa daqui alguns anos, contando histórias do nascimento de Cristo com seu marido para os pequenos cabeludinhos, enquanto da cozinha vem o cheiro suave do almoço que eles irão compartilhar. Viu seu amado fazendo graça com os filhos, enquanto todos eles querem mostrar os brinquedos novos ao mesmo tempo, fazendo o pai se desdobrar para atender a cada filho, a cada brinquedo e a cada carinho exigidos. Viu-se através das cortinas de sua casa, aparentando alguns anos a mais, mas também mais felicidade em seu semblante, mais maturidade em suas ações, e plenitude em seu sorriso. Viu-se feliz e realizada, e essa imagem doce e tranquila lhe embalou os sonhos neste Natal, enquanto a casa cheia e os filhos amados não chegam. Sonhou estar apenas deitada no peito macio de seu amor.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Passado-presente.

Houve um tempo em minha vida que todos os cadeados que pude colocar em meu coração foram postos. Era praticamente impossível algo tocar meu coração, mexer com meus sentimentos e ver beleza na vida. 

Hoje vivo uma fase totalmente diferente, pois há tanta coisa boa que tenho, sonho e almejo. Às vezes me pego olhando para o passado, vendo como mal lembro de como eu era quando me via infeliz e sozinha. Mal lembro como era antes de todas as mudanças que se passaram em minha vida, mente e peito.

Como diria Nando Reis, "é bom olhar para trás e admirar a vida que soubemos fazer" e eu admiro cada passo que dei ao lado de quem abriu todas as trancas de meu coração. Admiro nossa maturidade para lidar com cada situação difícil que passamos, e me alegro em saber que todos os problemas já idos serão nossa força para enfrentar os que ainda virão. Alegro-me em ver as mãos de Deus cuidando de nossos passos, de nossas decisões, dando força e coragem para termos a nossa vida, do nosso jeito, sem se preocupar com as vontades, opiniões e possíveis interferências externas. 

Sei que hoje, novamente, me vi olhando para como você mudou toda a minha vida. Hoje sou mais feliz, mas acima disso, sou uma pessoa melhor, com sonhos, planos e um amor, amor este maior que a eternidade.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Escada rolante e cinema.

Depois de quase dois anos, me vi pensando em nós no primeiro dia. Lembrei de como eu já queria você confortável, seguro e feliz. De como suas mãos nas minhas me traziam paz e alegria, e seus olhos faziam com que meu peito se perdesse em tanta alegria. Lembrei de ser apresentada ainda meio sem jeito, de maneira meio envergonhada. De sua aparente calma que escondia um coração ansioso e borboletas no estômago. Dos momentos na escada rolante, onde do degrau acima do seu, eu via seus olhos doces, que pareciam se deleitar em mim. E as minhas borboletas voavam cada vez mais rápido dentro de meu estômago. Os olhares trocados, as mãos dadas, o filme compartilhado e toda a ansiedade e vontade que tomava conta de mim. Lembro do primeiro beijo perfeitamente. Sempre lembrarei. Existem coisas na vida que nunca esquecemos, e jamais esquecerei do beijo - que como nos contos de fadas - me devolveu a vida.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Dança das Estações.

"Vem sem medo aos meus braços, meu amor
Que a tristeza não vai mais espreitar pelos cantos
E apertar assim o peito.
Fica assim aqui perto, que o teu cheiro me faz seguro.
Teu calor me protege e teu corpo me tira o vazio.
Para que brincar de ter razão?
É besteira não querer errar
E é tolice demais curtir a dor.
Deixa para lá tudo isso
E vem dançar a dança das estações.
Ah, tenta não ligar para essa gente
Chata e sem graça.
São tolos demais
estes mortos, cegos e adultos.
Gosto de ter ver rindo 
e da riqueza das coisas simples 
que guardo qual tesouros.
E a beleza está em não ter pressa.
Que corremos demais, meu amor
E é hora de parar, deitar na grama, falar só besteira, e rir da vida.
Aah, deixa isso para lá
Que esse mundo é todo errado.
Fica perto então que tanta solidão já feriu demais."

Dance of Days.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Alegrias e bençãos.

"Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não  é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?
[...] buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal."
Mateus 6: 25; 33-34

Qualquer pessoa que me conheça um pouco sabe o que vou dizer, mas sou uma pessoa muito ansiosa, muito preocupada com as coisas que não estão em minhas mãos, mas tenho que a cada novo dia aprender a deixar toda a minha vida e meu coração nas mãos de Deus, pois Ele é quem tem os melhores planos para mim.

Este final de ano está completamente caótico na faculdade, e acho sinceramente que nunca estive tão cansada física e mentalmente como neste último mês, mas Deus é tão maravilhoso, tão grande que Ele, em pequenas - ou gigantes - coisas me faz lembrar de que Ele cuida de mim, mesmo quando eu O tento impedir. 

No último feriado - de 11 à 15 de novembro - estive em um acampamento de jovens cristãos, e em uma de minhas conversas com Deus, senti sua voz novamente. Sim, eu senti, porque foi uma voz que veio para dentro do meu peito, e não para meus ouvidos. E esta voz me confirmou o meu maior sonho, dizendo que sim, este sonho se cumprirá ano que vem. E só Deus e o Jonatha podem entender o que isso significa para mim.

E hoje, em algo que pode ser visto como simples e banal para muita gente, eu descobri que posso tirar minha semana de férias [estagiário tem uma semana de férias a cada três meses] agora, sendo que tirei minha última férias a menos de três meses, e este realmente é um momento em que preciso de tempo em casa, para poder ler e escrever tudo o que me falta para este final de semestre caótico.

Hoje senti Deus muito perto de mim. Senti mais forte o seu cuidado, o seu amor. Amor este que sei não merecer, mas que pela Graça me foi dado.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Noivos.

Com o coração saltando de alegria em meu peito. Um feriado que marcou em dois anos diferentes nossa história ficará sempre em nosso coração. Hoje só posso agradecer pelo homem incrível que Deus colocou ao meu lado e por toda a confirmação que mais uma vez Ele me fez ter. Ouvir a voz dEle a confirmar nossos sonhos é a melhor coisa do mundo, e agora posso dizer que sim, casaremos ano que vem.

Você é tudo o que quero, meu amor.
Obrigada por tanta alegria.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Meus sonhos.

Ontem, instantes antes de acordar, sonhei que havia acordado do teu lado, em nosso canto, na nossa vida, nossa rotina. Acordei de verdade e tu não estava ao meu lado, nem eu estava deitada em nossa cama, mas mesmo assim despertei feliz. A cada dia mais sei que estamos perto disso, sei "que cada dia a mais é um a menos" para nós juntos, enfim.

Ao levantar hoje te senti perto de mim de novo. Só consigo entender isso como um meio que nosso amor encontrou para nos manter mais perto, tentar aplacar a saudade, a vida corrida que temos durante a semana, onde nos sobra os minutos entre ligações e e-mails, e os poucos momentos em que nos vemos, onde ficamos mergulhados nos olhos um do outro, no cheiro embriagante, no calor e no amor que exala da pele.

Posso dizer que nosso amor é o que me mantém. Posso dizer que toda a alegria que existe em minha vida surgiu de nosso reencontro, de toda a amizade que sempre existiu entre nós, e que foi reavivada há dois anos atrás. 

Obrigada, meu bem.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Entregue.

"Eu me entrego pros dias de sol, para camisas de bandas e até para chocolates. Ou filmes de romance esquecidos na estante. Pros perfumes que deixam boas lembranças. Para as risadas que me tiram todo o ar. Às cores vibrantes do seu tênis que caminham em minha direção. Eu caminho devagar se o tempo for bom. Não pense muito, no fim tudo se adapta. 
[...]
Eu me entrego à sua bagunça na minha sala. A um bom livro antes de dormir. 
[...] Meia hora a mais na cama na segunda-feira. Um dia chuvoso bem embaixo do edredom, ao colo de quem me aceita assim."

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Sabor incerto.

As tardes de sua vida vinham se passando de maneira cansativa e entendiante, sentada naquela sala fria e naquela cadeira desconfortável. Os assuntos, ela precisava admitir, na maioria das vezes realmente lhe despertavam o interesse e a necessidade de busca de novos conhecimentos, embora outras tantas vezes ela apenas se cansasse e quisesse sua casa e seu companheiro a lhe esperar. 

A vontade de conhecer novas línguas e lugares, ler mais livros, descobrir novas - os mesmo antigas - linhas de pensamento que ela discordasse, para ter como exercitar suas habilidades argumentativas, e outros pensamentos para lhe mostrar onde ela realmente pensava de maneira equivocada, e fazê-la mudar de ideias.

Em determinados aspectos ela adorava mudanças, novidades. Em outros tantos ela  queria a vida assim como estava. Seu coração havia sido apresentado ao amor, sua alegria havia sido constituída com a melhor companhia, seus sonhos pareciam cada dia mais próximos e palpáveis. Queria as mudanças e as permanências. Os lugares-comuns e as fugas da realidade. Queria a doçura e o azedo do morango.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Caminho certo.

A vida tomara um rumo tão diferente do que ela sempre imaginou para si e isso era algo excelente. Sempre se imaginou sozinha, destinada a uma vida vazia e sem sentimentos, e quando menos esperou que algo de bom lhe acontecesse, a melhor das mudanças lhe foi apresentada. Tomou conta de toda sua vida colocando tudo no seu devido lugar, acabando com a tristeza e vazio que ali viveram durante tanto tempo.

Ele veio de maneira rápida e ao mesmo tempo carinhosa, e colocou tudo em seu devido lugar, mostrando o tempo que as coisas devem ser encaradas na vida e como ela devia ter esperança. Tudo mudou tanto na vida deles, tudo parecia estar encaixando de maneira promissora e definitiva para que o futuro deles chegasse o mais rápido possível. 

Às vezes ela se via tomada pelo medo e pela falta de esperança, achava então que nada daria certo. Mas ao olhar para seus faróis que eram os olhos dele, via toda a vida por outro prisma. Via a vida de maneira mais positiva e tudo parecia estar no rumo certo. 

As passar as tardes deitada no calor do peito dele tudo parecia encontrar o seu momento e lugar. Era a ele que toda ela pertencia e nada mais importava.

O futuro sorria à frente e seria muito mais doce que os melhores sonhos dela. Seriam um para sempre.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Meu acerto.


"Sinceramente você pode se abrir comigo.
Honestamente, eu só quero te dizer
Que eu acertei o pulo quando te encontrei,
Acertei.
Eu sei a palavra que você deseja escutar
Você é o segredo que eu vou desvendar
Você acertou o pulo quando me encontrou
Acertou o pulo quando me encontrou.
E então o nosso mundo girou.
Você ficou e a noite veio
Nos trazer a escuridão
E aí então
Eu abri meu coração
Porque nada é em vão.
Gostei do seu charme e do seu groove.
Gostei do jeito como rola com você.
Gostei do seu papo e do seu perfume
Gostei do jeito como eu rolo com você."

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Nosso Blues.

"Corra, grite, lute até morrer. Sangre por seus sonhos, mesmo sendo só seus."

Lembro-me perfeitamente da madrugada em que li estas palavras, palavras vindas da maneira mais sincera e real, inclusive no sentido que elas, por si só, podem ter. Minha luta se fazia pelo amor. Os sonhos, é verdade, desde o começo eram nossos, e todos os desafios e problemas que surgiram no caminho sempre foram enfrentados pelo nós nunca pelo eu. 

Nunca estive sozinha desde que você apareceu em minha vida trazendo flores, alegrias, sorrisos verdadeiros e esperança de ser feliz na vida. Com você me veio também a maturidade, a paciência com as pessoas, o crescimento. Olhando para trás vejo que só abandonei verdadeiramente a adolescência depois que entraste em minha vida.

Acho que nunca desejei algo tão intensamente em minha vida como desejo lhe fazer feliz, meu bem. Todos os dias sonho com nosso futuro, mas sem nunca deixar de olhar para trás, como boa - quase - historiadora que sou. Toda nossa história daria um livro ou um filme é o que sempre me dizes, mas acho que só por ser assim como ela o é já valeu tudo. 

Vivo um amor que eu nunca imaginei existir, tenho a certeza de ter o melhor homem do mundo ao meu lado, porque nenhum outro poderia ser tão perfeito, ter o encaixe tão certo para mim como você tem. Nenhum outro saberia me fazer rir quando quero chorar, ou aguentaria minhas lágrimas quando chorar é preciso, seja de alegria ou tristeza. Nenhum outro merece este amor puro e infindável que trago em meu peito por ti.

Sei que lutas teremos até o fim, mas minha alegria e consolo nisso é saber que lutaremos juntos, sempre.
Obrigada por todo este amor que temos há 21 meses - e alguns dias, sucedidos pela eternidade que virá ao teu lado. Obrigada por ser a melhor pessoa que eu já conheci. 

Eu te amo, senhor Jz.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Sem definições.

Toda sua vida passou por uma grande transformação há tempos atrás. Os sorrisos que não mais existiam surgiram dentro de seu peito, ensinando-a a ser feliz de verdade, sem medo ou culpa. A dor que por tanto tempo foi sua companheira foi dissipada, expulsa por um sorriso, um carinho, um olhar. 

Desta nova descoberta da felicidade seguiu-se um tempo de tantas outras descobertas, e dentre elas, o amor lhe surgiu na vida. Um amor que ela nunca imaginou existir. Um amor melhor do que qualquer comédia romântica, que tanto a deprimiam antes. Este era um amor real. E com este amor ela aprendeu tantas coisas, e se tornou uma pessoa muito melhor.

Por conta deste amor houve um tempo de transformação recente em sua vida, e nesta nova transformação - causada pela mesma pessoa - os sonhos brotaram dentro de si de maneira tão intensa que se tornam a cada dia mais palpáveis. Estava cada dia mais próxima a vida sem mais despedidas ou noites sem o aconchego de certo colo para dormir.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Preparativos e flores.

Os preparativos para o grande dia chegaram na vida deles com grande impacto e de maneira muito rápida. Em menos de uma semana metade dos assuntos deles eram o planejamento das compras que ainda precisavam fazer, os móveis, as cobertas, as alianças, e então tudo ficou definitivamente mais palpável para ela.

Por mais que ainda tivessem mais de um ano pela frente, parecia que na manhã seguinte ela rumaria para a vida nova, sua tão sonhada vida ao lado dele.

Poderia ver, ao fechar os olhos, o sorriso dele em todas as futuras manhãs e sentir as mãos dele acariciando seu rosto e afagando seus cabelos toda noite, embalando-a para dormir. O gosto da vida a dois já lhe enchia a boca e já não queria esperar tanto tempo para sua nova vida, a vida de senhora.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Sempre será.

"Tive mais sorte do que merecia. Ele* é tudo o que eu pediria se me conhecesse bem o bastante para saber o que pedir. Ele é exatamente o tipo de pessoa necessária a alguém como eu. E, é estranho, ele também precisa de mim. Essa parte funcionou melhor do que eu poderia esperar."

[Stephenie Meyer]

*adaptado.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sala de Jantar.

"Silêncio invade a sala de jantar
Falo qualquer coisa para quebrar o gelo.
Entendo que você não quios brigar
Peço que não trate com indiferença. 
Pois as emoções às vezes pregam peças em nós.
Você sabe bem o que a gente tem. 
Sento do teu lado, implico igual criança.
É só para você rir e eu também.
Somos só os dois no palco para esta dança.
Mas as emoções às vezes pregam peças em nós.
Testemunhas vão lhe confirmar, 
Eu nunca quis te magoar.

Vem, que eu te faço um cafuné
Aqui embaixo do edredom.
Não vai dizer que você não quer.
Diz que essa briga já passou,
E a gente pode se acertar 
Só para cuidar do nosso amor.

Silêncio invade a sala de jantar, 
Chega da tv só um som bem baixinho. 
Deitados no sofá 
Durmo no seu colo com o seu carinho.
Mas as emoções às vezes pregam peças em nós.
Testemunhas vão lhe confirmar, 
Eu nunca quis te magoar.

Vem que eu te faço um cafuné
Aqui embaixo do edredom.
Não vai dizer que você não quer.
Diz que essa briga já passou, 
E a gente pode se acertar
Só para cuidar do nosso amor.

Como um sonho que viaja e sempre se despede ao amanhecer.
Não precisa mais palavras, olha no meu olho pra me entender."

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Cheiro de lavanda.


Flores foram espalhadas por todo o chão da casa. Nas mesas, taças e copos para brindar o amor. Doces, salgados e detalhes caracteristicamente deles em todos os cantos. Nas paredes, fotografias em seus frames, retratando momentos de amor e ternura. No ar, nitidamente o amor que exalava daquele casal, perfumando a casa com um doce e leve cheiro de lavanda, penetrando em todos os corações próximos. O casal agora era o centro das atenções daquele pequeno mundo particular ao redor, mas que na verdade eles pouco sentiam ou viam as coisas ao seu redor. Quase nem percebiam as outras pessoas. Estavam dentro um do outro, lendo os olhares, os sorrisos, os gestos. A vida nova começou sendo brindada no refúgio deles, com os amigos íntimos e familiares. Dali em diante, oficialmente - pois nos corações deles isso havia sido posto há tempos - eram um.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Inegavelmente sua.

Ser sua menina é o que me motiva a sair da cama todas as manhãs para enfrentar qualquer desafio da vida, qualquer mesmo. Ser sua pequena é o que me encoraja a ser alguém melhor em todas as atitudes, porque quero sempre que se orgulhe de me ter como sua companheira, que me queira sempre por perto. Ser sua é o que me restaura a alegria depois de tempos difíceis e duros. Ser sua menina é o que me fez ser mulher.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Feliz outra vez.

Houve um tempo de angústia, uma fase demorada - embora nem tão longa assim  - de dor e tristeza e com isso veio, pela primeira vez, a falta de vontade de escrever num momento difícil. Os textos seus surgiram quando sua vida passava por uma fase triste e escura, onde havia problema demais e amigos de menos. Então escreveu. Escreveu tudo o que pensou, tudo o que sentiu, tudo o que temeu. 

Mas agora estava acostumada a escrever alegrias. 
Certa vez uma amiga querida disse que "ostra feliz não faz pérolas" e isto foi uma verdade em sua vida, até ser realmente feliz. Então descobriu que podia não fazer pérolas, mas também não era uma ostra, fechada dentro de si. Queria ser vida, aberta, sorridente e ativa. E agora queria apenas contar coisas bonitas, tentar, de alguma forma, alegrar um pouco a vida dos outros, dividir a doçura e alegria instaladas em seu coração mesmo que através de suas poucas letras. 

Deu um tempo na escrita para não contar tantas coisas tristes. Deu um tempo para tentar se reciclar e não contar apenas sempre os mesmos contos, embora devia confessar, contar suas alegrias era a coisa mais gostosa de se escrever.

Sempre.
Ele sempre lia.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Sobre Deus.

Inicio meu texto fazendo duas confissões: acho difícil fazer um texto em primeira pessoa admitindo mesmo que esta é a minha opinião, a minha vivência, e acho muito difícil escrever de Deus. Não sei porque isso é tão complexo para mim.. às vezes penso ser culpa de minha fé pequena demais, ou então de minha falta de domínio da Bíblia e dos mistérios de Deus, ou quem sabe a minha vontade em mostrar com clareza e firmeza minha fé, mas sem ser preconceituosa. Bem, indiferente do motivo, escrever de Deus para mim é algo complicado.

Mas não sei se por influência dos muitos blogs cristãos que leio, ou apenas pela crescente de vontade de ser útil, de fazer alguma diferença, mas hoje eu resolvi falar. 
Minha vida com Deus sempre foi conturbada, e tive momentos em que cheguei a duvidar da real existência dEle, mas pela Sua graça e amor, Ele se mostrou ao meu lado no momento em que mais precisei na vida, mesmo eu não O vendo, e me manteve firme, mesmo quando estive fraca. 

E aqui estou eu, uma cristã que ama a Deus completamente, mas muitas vezes acha que Ele esqueceu de mim, como acontece com muita gente. Sou insegura, e por isso preciso sentir Deus perto de mim o tempo todo, mas o que esqueço é que eu preciso deixá-lo ficar aqui.. caso contrário, Ele estará ao meu lado, mas escondido.

Não creio que meu texto fará sentido. Não é esta a intenção, mas eu sinto que este texto é como uma experiencia, um novo passo. Eu precisava começar de algum lugar a escrever de Deus. Não pretendo evangelizar ninguém, mas acho que passarei a apresentar a minha visão sobre Deus, sobre assuntos relacionados a Ele e à nossa vida aqui na terra, assuntos que considero importante, como preconceito e falta de amor e entendimento. 

Não prometo mil posts, ou posts realmente bons. 
Estou me descobrindo também nesta nova escrita.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Clara.

As noites de lua cheia e céu limpo eram realmente intensas para ela. Eram ondas de lembranças e sonhos que vinham a sua mente, como se a lua irradiasse muitos sonhos em seu peito. 

Da janela de seu quarto podia banhar-se plenamente da lua nestes dias. Gostava de deitar, mesmo sem sono, assim quieta com as cortinas abertas e sentir a lua tocando o seu corpo. Era como se as suas energias fossem recarregadas, os problemas esquecidos, e os sonhos avivados.

Mas a lua cheia, que durante muito tempo foi a preferida dela perdeu seu posto para a lua crescente. A lua crescente significava para ela que sempre havia mais por vir. Sempre haveria mais entre eles. O começo do namoro foi marcado por uma semana de lua crescente e céu muito limpo e lindo, e agora a lembrava dele, e de tudo o que  ainda teriam pela frente. 

Porque eles seriam para sempre. Por toda a vida, e toda a eternidade. E sempre haveria mais amor, carinho e compreensão. Sempre haveria o abraço de um para acalmar e deliciar o outro.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Noite em meu peito.

Estou num tempo de decepção comigo mesma.

Penso demais em alguns momentos, e em outros, em que devia deixar a razão ganhar, deixo-me levar por meus impulsos egoístas e pequenos.

Parece normal eu começar a magoar as pessoas que passam tempo demais comigo, e isso faz com que eu sinta nojo de mim mesma. Eu não quero ser esta pessoa. 
Eu cansei de ferir e fazer chorar. 

Eu cansei de mim, e por mais que eu me esforce em melhorar, temo que chegue um dia em que as outras pessoas se cansarão também.

Não quero mais escrever por hora. Não tenho coisas bonitas e alegres para falar, porque dentro de mim se fez noite de novo.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Boas vindas ao que já fui.

Já escrevi justificando minha necessidade de escrever. Por mais estranho que pareça, escrevo porque amo, sem me importar quantos leitores terei ou não, mas me justifico a todo instante. Busco justificar a cara de sono, e sorriso que vacila no rosto, a voz que sai embargada de choro ou de saudade.

Já fui a menina de sorriso  fácil e língua afiada que queria ser amiga de todo mundo. Nisto, conheci muita gente interessante. Eu me iludia achando que elas me conheciam também, mas agora vejo que elas nem se esforçavam nisto. Eu era mais uma morena sorridente e só. Hoje quase nenhuma destas pessoas está em minha vida. 

Já fui a menina do choro quase constante, da necessidade de colo de amigos e de carinho. Nisto, quando me sentia sozinha, corria para a frente de um certo curso preparatório encontrar meu casal porto seguro. Com eles, por mais triste que eu estivesse, havia sempre um riso vacilante, mesmo que pequeno e fraquinho. 

Já fui a pessoa e nada mais. Houve um tempo em que eu era vazia. Vazia de amor, de felicidade e até mesmo de dor. Eu não sentia, porque isto era mais fácil. Sentir significa que uma hora ou outra, pode doer. E fui boa nisto, mas quase deixei de ser eu mesma, embora eu não soubesse quem eu era ou quem gostaria de ser.

Já fui tudo isso, e muito mais, ou muito menos. Já fui uma adolescente que achava ser adulta, uma adulta que gostaria de voltar para a adolescência, e tive medo do futuro e senti falta da infância e de toda a sua inocência perdida.

Muito prazer,
       sou a soma de tudo o que fui, com o acréscimo da melhor pessoa do mundo, que me ensina todos os dias e ser alguém melhor. Hoje sou uma mulher que sorri sincera, que chora sincera e ama, ama mais do que tudo nesta vida o guri que lhe ensinou a ser adulta.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Café forte.

Nestes dias de angústia e cansaço, o que precisava constantemente, era de uma xícara de café forte e quente. Precisava de muitas coisas nestes dias, mas algumas estavam inacessíveis, distantes dela, e vazio e o frio no peito amenizavam com a xícara branca com balões em formato de coração em suas mãos, quente graças ao calor da bebida que lhe instilava um ânimo momentâneo, efêmero.

O cheiro ia tomando a casa enquanto o café, forte como sempre, ia sendo preparado. O cheiro ia tomando o peito, e ao mesmo tempo que dava alívio, dava aquela sensação de casa, a fazia desejar a sua casa, que parecia tão distante. A sua casa tão sonhada.

O desejo nestes dias de cansaço era acordar ao final do período conturbado, de ver o amado deitado, dormindo serenamente ao seu lado embaixo das cobertas, enquanto ela atualiza as leituras necessárias, com a luz do abajur acesa. O desejo é vê-lo saudável e sorridente de novo, renovado, como alguém que tomou sua xícara de café ao final de um longo dia gelado.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Until the very end.

" - Estou prestes a morrer.
[...]
Tiago tinha exatamente a mesma altura que Harry. Usava as roupas com que morrera, e seus cabelos estavam descuidados e arrepiados, e os óculos tortos como os do sr. Weasley.
Sirius estava alto e bonito e muito mais jovem do que Harry o vira em vida. Andava com uma elegância natural, as mãos nos bolsos e um sorriso no rosto.
Lupin estava mais jovem também, e muito menos desleixado, e seus cabelos eram mais bastos e mais escuros. Parecia feliz de voltar a este lugar familiar, cenário de tantas divagações na adolescência.
O sorriso de Lílian era o maior. Ela afastou os longos cabelos para as costas ao se aproximar, e seus olhos verdes, tão semelhantes aos dele, examinaram seu rosto vorazmente, como se nunca tivesse tido tempo de olhá-lo o suficiente.
 - Você tem sido tão corajoso! 
Ele não pôde falar. Seus olhos se banquetearam nela, e lhe ocorreu que gostaria de ficar parado, contemplando-a para sempre, e que isto seria suficiente. 
 - Você está quase chegando - disse Tiago. - Muito perto. Estamos... tão orgulhosos de você.
 - Dói?
A pergunta infantil escapara dos lábios de Harry antes que ele pudesse contê-la.
 - Morrer? Nem um pouco - respondeu Sirius. - Mais rápido e mais fácil do que adormecer. 
 - E ele vai querer que seja rápido. Quer terminar logo - disse Lupin.
 - Eu não queria que você tivesse morrido - disse Harry, as palavras saindo involuntariamente. - Nenhum de vocês. Sinto muito...
Ele se dirigia mais a Lupin do que a qualquer dos demais, súplice.
 - ... logo depois de ter tido um filho... Remo, sinto muito...
 - Eu também sinto. Lamento que nunca chegarei a conhecê-lo... mas ele saberá por que morri, e espero que entenda. Estive tentando construir um mundo em que ele pudesse viver uma vida mais feliz. 
Uma brisa gelada que parecia emanar do coração da Floresta ergueu os cabelos da testa de Harry. Sabia que eles não o mandariam ir embora, que isto era uma decisão dele.
 - Vocês ficarão comigo?
 - Até o fim - respondeu Tiago.
 - Eles não poderão vê-los?
 - Somos parte de você - disse Sirius. - Invisíveis a todos os outros.
Harry olhou para a mãe.
 - Fique perto de mim - disse baixinho."

domingo, 12 de junho de 2011

Próxima página.

Havia muito tempo que pensavam nas mudanças que queriam para a vida deles, e então viram que as mudanças já estavam postas e feitas. O que faltava apenas era a "oficialidade" da relação, porque no coração deles as decisões estavam gravadas como tatuagem.

Numa conversa longa e intensa, decidiram que a mudança seria agora. Pegaram a chave do carro, ligaram o som e rumaram para a casa dela. Começaram a arrumar as bolsas e livros dela, guardando-os com cuidado para não estragar seus prediletos. 

Ao sair da casa dela passaram no novo restaurante predileto deles, pegaram um lanche para viagem, para celebrar a primeira refeição a dois na nova vida. Dois copos de suco, dois sanduíches, porção de batata e Kooks ao fundo. O novo lar era o cantinho dele. Ali eram a nova família. Era tudo o que precisavam.

Não importava o que ouviriam dali para frente.. Eles largariam qualquer coisa para ficar juntos.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Que o tempo voe.


"E agora como eu vou fazer se os seus lábios ainda estão molhando os lábios meus, e as lágrimas não secaram com o sol que fez?"

Não gostava dos tempos de correria que eventualmente se instalava na vida deles. Já tinham tão pouco tempo um para o outro, com todas as responsabilidade pelas semanas, pela vida, em vez em quando uma interpérie aparecia pelo caminho de ambos. Ela tentava levar numa boa, pensava no futuro próximo e [esperava] mais tranquilo que teriam, onde poderiam viver seu amor e companheirismo plenamente.

Queria o tempo preguiçoso, até mesmo com a chuva constante que caía nos últimos dias na cidade. Queria o abraço e o esquecer nos braços dele. Queria lembrar apenas daquele sorriso que só ao lado dele sabia dar. O sorriso da certeza, do amor. Repetir incansavelmente o quanto ele a fazia feliz, o quanto sua vida havia mudado desde que ele se alojara nela. 

Queria a vida a dois, tranquila, enfim.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Azul, preto e branco.

Num dia de afazeres como outro qualquer passou no shopping próximo ao trabalho tomar um café e descansar um pouco, sentada na praça de alimentação. Depois de repostas as energias com sua dose de cafeína resolveu dar algumas andadas pelo shopping, sem rumo certo, nem vontade específica de comprar alguma coisa.

Caminhando distraidamente percebeu em certa vitrine pequenas meias listradas, tais quais as que ela sonhava constantemente ter em quem vestir. Sonhava com os pequenos pés, gordinhos e macios que relutariam em calçar a meia, que sentiriam cócegas ao tocar das mãos de sua mãe, que sairiam correndo freneticamente quando a ouvissem a chegar em casa.

Foi num impulso repentino que resolveu entrar na loja comprá-las.
Não haviam pequenos pés a caminho, mas sabia que um dia eles chegariam, e então teriam a meia tricolor pronta a aquecer os pés gelados do seu pequeno filho. Teria então os pés gordinhos a fazer cócegas e mordidas. 

terça-feira, 24 de maio de 2011

Para te ter de novo.

O branco das nuvens e o azul cálido do céu azul e intenso a cegaram e a fizeram calar por uns instantes. Olhar para baixo e ver aquele tapete de espuma lhe deu a segurança e a confirmação de que precisava. Não sentia mais medo, e o remorso fora todo embora. estava finalmente voltando para casa. O seu lar estaria a esperá-la de braços estendidos e sorriso aberto no saguão de desembarque. 
Estaria então em casa.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Cabe o meu amor.


E eles adoram Beirut.


Numa letra simples, num clipe simples, eles transpassam toda a mágica do amor.

Cabe o meu amor, cabem três vidas inteiras, 
Cabe uma penteadeira, 
Cabe nós dois.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Minha melhor parte.

"A gente é bem maior do que qualquer drama, 
que entra em cartaz e sai em duas semanas.."

Dramas vividos não sou poucos. 
Quando dizemos que nossa história daria um bom roteiro é plenamente verdade. Mas como diz Tópaz, estamos sem legendas para quem não entende o que é amor, e nem precisamos de direção alguma, pois até mesmo de olhos fechados nós caminhamos no mesmo ritmo, acertamos os takes, o tempo e fotografia de cada cena.

Entendo pouco de edição, mas sei que entre nós os momentos não precisam ser cortados, nem manipulados. A verdade que emana de tal amor só pode gerar um filme incrível, vivo e intenso. Um Trash the Dress com nossas cores e gostos. Vintage com ares geek. 

Mas não vivemos só momentos felizes, é verdade.
Temos nossas lutas diárias, a saudade, dores por mágoas causadas por terceiros, problemas. Mas temos um ao outro, e mesmo em meio ao caos a gente se lembra de que nos uniu, e de como Ele nos mantém unidos, se amando a cada dia e companheiros. 

Você é meu melhor amigo e isso vale muito.
Você é a melhor parte de mim.

"Mas como você eu nunca tive ninguém.."

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Homofobia e afins.

Tenho sentido um incomodo muito grande como protestante e pessoa a falar sobre toda a folia que está posta a  respeito da união homoafetiva e a lei contra a homofobia. Primeiro: quero deixar claro que sou a favor da união homoafetiva, porque isso diz respeito apenas à espera legislativa [tramites burocráticos e tal] e sou absolutamente contra a homofobia, e que por homofobia entendo agressão física ou verbal contra o praticante do homossexualismo. 

Só o que acho que os gays e defensores esquecem é que o respeito é uma via de mão dupla. 

Sim, eu sei que eles sofrem preconceito, e que deve ser difícil ser gay numa sociedade "conservadora", mas eles também devem saber respeitar os outros. Impor à uma instituição religiosa qualquer que aceite realizar casamentos dentro dos ritos de sua doutrina, ou impedir que hajam pregações expondo o porquê do homossexualismo ser considerado pecado já é demais. Se você quer casar conforme uma igreja, é porque acredita no que se diz. Caso contrário, simplesmente seria por birra; para esfregar na cara dos religiosos que agora eles devem fazer o casamento gay.

Tive uma pequena discussão agora pouco via twitter com um amigo da faculdade. O que eu tentei mostrar, e ele teimou em não entender, é que sim, o Estado laico deve defender os interesses do povo em geral, e que a união homoafetiva é sim um passo importante para diminuir o preconceito, mas que segregar os homossexuais, colocá-los numa bolha de proteção não é o certo. Quando se coloca uma minoria "acima" do resto, é como se fosse proclamado "Olha, vocês realmente não tem capacidade de continuarem sem uma ajudinha do Governo, porque vocês são fracos." e para mim, isso é uma forma legal de demonstrar preconceito. 

Concordo que os direitos civis deles devem ser reconhecidos, como o plano de saúde do cônjuge, declaração de imposto de renda e tal, mas o projeto de lei contra a homofobia previa proibir que se criticasse [e por crítica entendo argumentar contra, e não simplesmente agressão] a homossexualidade, e isso é absurdo.  Claro que partir para cima de alguém porque ele é homossexual é tão absurdo quanto bater em um nordestino por sua origem, e acho que esse tipo de atitude deve ser punida. 

Mas interferir na esfera religiosa, onde as pessoas que congregam, por livre e espontânea vontade, acreditam naqueles valores e ritos, nesta esfera, o Estado não pode impedir que seja expressado, com respeito, o porquê do homossexualismo ser considerado pecado. Claro que sou contra a apologia à homofobia. Totalmente contra. Mas, como colocou o meu amigo, nas religiões monoteístas é sim, pecado. E nós temos o direito de falar sobre isso.

Eu espero que o direito de professar a minha fé e os meus valores seja tão respeitado quanto o direito do homossexual ser respeitado como pessoa que ele é.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Sonho irracional

Acordou cansada depois de uma noite agitada, com muitos pesadelos e choro. Era extremamente irracional chorar por conta de um pesadelo, mas ela não conseguiu evitar. O pesadelo que teve era o pior que podia assolá-la: que ele a tinha deixado.

Não houve meio que a fizesse ficar calma, ou lhe desse vontade de dormir de novo, pois o medo de voltar para àquele pesadelo era maior do que o sono e o cansaço. 

A voz ao telefone foi um calmante para a alma, mas mesmo assim ela ainda ficou com um resquício de medinho, um resquício de ciúmes da 'outra', que na vida real não representava perigo algum, mas nos sonhos, volta e meia vinha atormentá-la. O que precisava mesmo para afastar todos os fantasmas irracionais que a noite mal dormida trouxe, era o abraço quente e macio, o encaixe perfeito que eles representavam, o cheiro quente e gostoso. Precisava do seu colo para ficar tranquila.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

És a minha canção.

"Você acha que eu sou louca, mas tudo vai se encaixar."

A mudança vivida naquela tempo de angústia e ansiedade serviu como lição de muita coisa. A união e cumplicidade cresceu de forma absurda, mostrando que era sim possível serem mais leal um ao outro do que já o eram.

Foi como se o tempo ficasse suspenso, parado, nos instantes em que se abraçaram depois de tanta novidades e mudança. Foi como se tudo se encaixasse exatamente como viria a acontecer. Ainda não tinham solução para muitos dos problemas enfrentados, mas eles sabiam que daria certo. Sempre daria. Eles eram o certo. 

Ao lembrar dos momentos em que a graça entre eles eram bochechas rosadas - como uma pessegada - era o tipo de coisa que dava força, coragem e vontade de lutar contra o que fosse preciso para levar adiante a vida deles, a vida que de agora em diante viveriam a dois, da forma deles. O resto pouco importava. 

"Eu acho que eu gosto mesmo de você, bem do jeito que você é."

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Conto moderno.



Como tenho a pretensão de escrever em minha vida, e futura formação de historiadora, assim como sou mulher, o "Casamento do século" é um fato muito relevante para mim. Não há como ignorar que o "Casamento do século" foi divino. Não me importo com quantas opiniões contrárias, criticando a "monarquia falida" e a "ostentação desnecessária" do casamento tenham sido feitas. Não é a opinião alheia que me move.

A monarquia pode não representar muito no Brasil, mas não há como querer impedir que pelos menos as mulheres se interessem, sonhem e suspirem ao ver um acontecimento deste. Desde o vestido a la Grace Kelly à tiara que foi da Rainha-mãe, o casamento entre Duquesa Catherine Middleton com o Príncipe Willian Arthur é a representação máxima do sonho de, eu diria chutando baixo, uns 80% da população feminina. 

Ser a plebéia que vira princesa está quase que totalmente no imaginário coletivo feminino, graças à influência de mulheres bonitas como Catherine ou sua falecida sogra, Lady Diana, ou até mesmo da eterna diva Grace Kelly, como também pelos desenhos populares da Disney, que nos trazem moças bonitas, corajosas e amadas a cada novo desenho.

Eu não encaro este tipo de sonho e atitude como uma alienação. 
Creio que uns 90% dos meninos brasileiros sonham em ser jogadores de futebol e nem por isso são criticados como alienados ou fúteis. São apenas valores e importâncias diferentes.

A mente feminina é muito mais sonhadora, e por isso SIM, é importante e bonito ver um casamento luxuoso, mesmo para alguém como eu, que nem festa de casamento fará. 

Eu precisava defender meu ponto de vista de toda esta festa maravilhosa e única, pois mais do que o casamento de um príncipe com a plebéia, eu, eterna apaixonada e sonhadora, vi em todas as fotos e vídeos, a realização de um sonho, a construção de um amor. Eles nitidamente se amam e se admiram. E eu admiro o amor.

Sinceramente desejo muitas felicidades ao casal, e que os tenhamos logo como Rei e Princesa Consorte da Inglaterra.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Entre cafés e beijos.

Chegara em casa com pilhas de provas a corrigir e livros a ler pendurados em seu ombro e sacolas do mercado pendendo de suas mãos. Estava exausta. Soltou as sacolas na mesa da cozinha e foi até o banheiro lavar as mãos, que era seu rito quando chegava em casa. Voltou então descascar os ingredientes para o jantar: para ela seria sopa e para ele carne com batata frita.

Enquanto os legumes e verduras cozinhavam, tomou seu banho e organizou o cronograma de tarefas do dia. Aproveitaria que ele chegaria tarde devido a um novo projeto em que estava envolvido e colocaria todas as coisas em dia, para ter todo o tempo do mundo para ele durante o final de semana.

Terminou sua refeição e se aninhou em suas cobertas com a sempre presente xícara de café e começou a trabalhar... 
       de repente sentiu um movimento suave tirando o livro de suas mãos e o óculos de seu rosto. Adormecera sem perceber. 

Recebeu um beijo carinhoso de seu esposo, que então a tomou em seus braços para levá-la descansar..

terça-feira, 19 de abril de 2011

In the full time.

As coisas andam complicadas, mas mesmo quando não sei que preciso de descanso, lá está meu "part time lover and full time friend" estendendo a mão, fazendo cócegas e sonhando um doce futuro ao meu lado. 

Sou uma garota de sorte, como poucas podem se dizer. Antes de tudo, literalmente, somos amigos. Conhecemos-nos há mais de oito anos, fomos próximos demais durante uns dois, e agora somos os parceiros, amigos e amantes para o resto de nossas vidas.

Como poucos de meus textos aqui, este é sim em primeira pessoa. Primeira pessoa amando pela primeira e última vez, sabendo a intensidade de tudo que sente e que não se envergonha ou cansa de declarar e mostrar este amor onde quer que possa. 

Sinto se as pessoas cansam de ler sobre o amor. Este é um assunto que ninguém, nunca, deveria cansar de ler ou ouvir falar. A vida deve ser regida à base de amor. Nada pode ser feito intensa e verdadeiramente se não houver amor no que se faz, no que se vive. 

Sei que eu nunca me cansarei de falar disso.
Nunca cansarei de viver este amor louca e apaixonadamente.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

O vento das letras.

Desde muito tempo, mais do que posso recordar em minha - relativa - curta vida, gosto de me entregar a meus personagens literários. Desde muito pequena me deixava perder em meio aos reinos distantes, cavalheiros galantes, e senhoritas fortes e corajosas. Num tempo depois, para fuga de um momento de tristeza e solidão, me via escondida nos problemas de meus personagens principais dúbios e confusos, de minhas meninas egoístas e astutas, como também das de personalidade forte e verdadeiras. Entre amores verdadeiros e mentiras. 

Dentro da literatura conseguimos simpatizar com personagens que na vida real nos dariam nojo, seja por sua ingenuidade irritante ou por seu egoísmo agudo. Mas de dentro da literatura também me vem agora inspiração para um projeto meu, um projeto que espero, seja novo e interessante. 

De dentro de meu quarto, salto para livros que me transportam para o Rio Grande que eu pretendo retratar, analisar e me apaixonar ainda mais. Para um dia, conhecê-lo pessoalmente, na companhia constante e amada.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

O amor perfeito.

Os sonhos que têm podem parecer tolos para quem não entende, e falsos para quem não sabe o que é amor, porém dentro dela havia uma chama muito forte, alimentada por dois amores presentes. Em Deus encontrava o amor que só Ele mesmo seria capaz de dar, além da certeza de toda a eternidade aos pés dEle, O adorando. Em seu amado companheiro encontrava o homem que sempre esperou, com os cheiros, gostos e manias compatíveis. 

Vez ou outra sentia medo, se via em becos escuros e achava que ninguém poderia ajudá-la. E então os seus dois amores estavam ao seu lado, dando carinho, atenção e amor, que era tudo o que precisava.

Não sabia ao certo quando as coisas que ela tanto sonhava - na companhia de um, com a benção do Outro - chegariam, mas sabia também que cada coisa vivida até lá valeria a pena, lhe ensinaria um pouco mais, como ser a boa esposa, a boa mãe, a boa adoradora. 

Estes dois amores lhe davam ânimo e alegria todos os dias ao acordar, e sabia que assim seria até o último dos "acordares", pois sabia que seu amor era certo e estável. Duradouro, puro e sincero. 

"São as pequenas coisas que valem mais.
É tão bom estarmos juntos.
Tão simples: um dia perfeito."

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Tudo claro.



"Tanto faz, já dá pra ver no meu olhar.
Impossível, não consigo disfarçar.
Se eu pudesse eu ficava o dia inteiro
Só sentindo o perfume do teu cabelo,
O que foi que aconteceu que eu tô assim?
...
Fecho os olhos pra te imaginar,
E às vezes no meu sonho é que 
Eu me ponho a te encontrar.
Por que será?

Ao te magoar.


Não tem como não sonhar com a vida toda ao seu lado, com as crianças e carinhos. Mas não teve como não temer a sua ida após alguma discussão. Não é fácil conviver comigo, porque sou chata, mandona, e tudo deve ser do meu jeito. Irrito-me facilmente, e muito difícil fica desfazer a cara amarrada.

Não quero nunca te perder. Quero te fazer feliz porque tu és o maior presente que Deus poderia ter me dado, tu és muito melhor do que eu mereço, e com isso temo sim, não ser capaz de te fazer feliz. Mas eu estou aqui, implorando para que tu fiques ao meu lado, e que não desistas de mim, como tantas outras pessoas já fizeram.

Não esqueça nunca que "você é a melhor coisa que já foi minha.." e eu quero te cuidar e fazer feliz, hoje e sempre.

Precisava pedir o teu perdão, porque sem ele eu não teria paz.

Eu te amo.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Heart beats.


"And I just want to stay with you
In this momento forever, forever and ever."

Estava posta para dormir quando em algum rádio distante começou a ecoar esta música através das paredes de seu quarto. No momento em que ouviu a primeira palavra da boca do Steven Tyler seu coração se apertou, fechando-se em toda dor que a distância e a saudade podiam causar. Como dizia a letra nem os sonhos mais doces eram capazes de substituir a presença de quem ela queria dividindo a coberta e o travesseiro. 

Não sabia quando voltaria a contemplar aqueles olhos brilhantes, nem quando as batidas do coração dele voltariam a ritmar o seu próprio.

Ela só conseguia lembrar neste momento de angústia de quando ele dormiu angustiado nos braços dela, sofrendo pela separação que se aproximava, e desejava com toda a sua alma ter a chance de vê-lo dormindo sonos tranquilos o resto da vida dela. 

Quando juntos ficassem novamente, nunca mais se separariam.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Doce como fel.

Sua personalidade agressiva e instável sempre acabava atingindo outras pessoas, e ela se culpava demais por isso após os seus acessos. Era uma pessoa difícil, e isso feria demais que ficava por perto dela, o que acabava ferindo-a também. Precisava melhorar sua forma de lidar com os problemas, para que isso não mais fosse descontado em outras pessoas. 

segunda-feira, 28 de março de 2011

Sweet news.

Ouviu o carro entrando na garagem, e correu apagar as luzes. Sabia que ele não gostava de surpresas, mas a de hoje era muito especial, e muito grande. Na parede haviam balões coloridos e um nome colado. Quando ele em casa entrou, ela correu o mais rápido e silenciosamente que conseguiu e se jogou em seus braços, antes mesmo que ele se deparasse com toda a arrumação que havia na parede da sala. Mal conseguiu segurar o segredo durante todo o dia, mas queria que tudo fosse feito da forma mais especial possível, pois era merecido. 

  - Não seriam apenas dois de agora em diante.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Quebrada bailarina.

  A menina nunca teve a pretensão de ser modelo. Sonhava em ser bailarina. Admirava os movimentos precisos, os pés sempre perfeitamente posicionados, os braços alinhados e o corpo firme e suave. Sonhava com sapatilhas e espacates. 

Buscava constantemente a elasticidade física e emocional que a dança exige de suas meninas e meninos, mas ela não tinha aptidão - leia-se dom - nem empenho o suficiente para cometer os sacrifícios necessários. 

Guardou em seu armário a sapatilha gasta e a saia de tule, e no coração a tristeza por ter sido fraca demais, por ter desistido de flutuar nos palcos enquanto seu corpo ainda aguentava o impacto das quedas. Agora vivia melancolicamente a lembrar dos movimentos e coreografias que um dia realizou, e se culparia eternamente por sua falta de empenho e persistência.

   - Mas este era um sonho quase impossível de reviver.

sábado, 19 de março de 2011

Trechos de vida.

 - Chegou em casa cansada de mais um dia de aulas, e para sua surpresa, filho e marido haviam preparado um jantar magnífico para comemorar o seu aniversário, com direito a bolo de chocolate com sua idade escrita em confete pelo seu habilidoso mini confeiteiro. 

 - Estavam correndo há dias para terminar os preparativos para a chegada do bebê, para que quando ele estivesse pronto, todo o resto também estivesse.

 - Cansado de tantos problemas no trabalho, ele só pensava em ir para casa brincar com seu filho e seus soldadinhos de chumbo, mas o que ele não sabia era que em frente ao portão do escritório, seu filho o esperava com um pacote cheio das bolachinhas caseiras prediletas deles.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Sem máscaras.

Não sabia como explicar o porquê de ser tão diferente, de ser tão simples. Não se encaixava em padrões de onde vivia, nem dos padrões que muitas outras aderiam, às vezes até por osmose, sem perceber.

Tinha sempre quem lhe olhava com olhos de suspeita, por ser tão simples, limpa e aparentemente sem graça. Era tida por menina demais, com seus molentons e calças jeans, acompanhados de seu All Star. Mas ela se via diferente. Não era necessário para si esconder-se atrás de máscaras e mentiras. Não precisava de coisas demais para esconder a falta de coisas e sentimentos que havia do lado de dentro.

Não que todas as outras, diferentes dela assim o fossem vazias e fúteis, mas era algo muito comum.

Era fácil e leve ser assim, embora às vezes se cansasse dos olhares de repreensão que recebia. Nestes dias, se trancava dentro de si, que era um lugar seguro, livre de olhares e comentários. Trancava-se em seu mundo, e lembrava das palavras que ouvira há alguns dias. Elas lhe davam força e transmitiam verdade.
Acreditava em sua beleza limpa e simples, e seguiria assim..

segunda-feira, 14 de março de 2011

O silêncio do teu colo.


"Eu volto pra casa, te peço pra ficar,
Em silêncio, só ficar..."

Não importa o que aconteça em meu dia, quantas pessoas queridas eu veja, ou quantas coisas boas me aconteçam, ao final de meu dia sempre é de ti que preciso. 

Ao caminho de casa eu queria sentir a alegria indescritível, que só aqueles que realmente amam sentem, de seguir para nossa casa, para o teu amor. Sonho com o dia que saberei que em minutos depois do final do meu dia te terei, te abraçarei e sentirei teu cheiro a tomar toda minha mente, e desanuviar qualquer preocupação que possa ter me tomado no dia.

Ter você a cantar que tudo o que precisa é de mim é mais do que mereço.
Sonhar com nosso futuro me acalenta e dá tranquilidade.

"Quando eu mais preciso, eu só tenho você.."

quinta-feira, 10 de março de 2011

Em Cima da Hora.

"O teu Deus, a quem tu continuamente
serves, ele te livrará."
Daniel 6:16

Olhe para Jonas na barriga do peixe - cercado de sucos gástricos e algas marinhas... Ele ora. Antes que possa dizer amém, a barriga se convulsiona, o peixe arrota, e Jonas aporta na praia, de cara no chão.
Olhe para Daniel na cova dos leões; suas perspectivas não são muito melhores que as de Jonas. Jonas foi engolido, e Daniel está preste a sê-lo...
Ou olhe para José no poço, um buraco no deserto quente. A tampa foi puxada sobre a boca do poço, e areia lançada em seus olhos... Assim como Jonas e Daniel, José foi pego numa armadilha. Ele não tem opção. Não há saída. Não há esperança. Embora a estrada para o palácio passe pelo cárcere, ele acabará no trono...
Assim são as histórias na Bíblia. Uma experiência quase mortal após a outra. Exatamente quando o pescoço está na guilhotina, exatamente quando a corda está em torno do pescoço, o Calvário se aproxima.

Ele Ainda Romeve Pedras - Max Lucado.

terça-feira, 8 de março de 2011

Pierrot apaixonado.


Um pobre Pierrot achou que nunca mais encontraria a felicidade depois de perder o amor da sua doce Colombina. Passou tempo demais acreditando que ficaria sua vida toda a sofrer pelo amor perdido, sem saber o que era a felicidade verdadeira. Ouvia sempre acusações de ser sonhador e romântico demais, e aos poucos foi desacreditando de si e do amor.

Num outro lugar, havia uma jovem, também sonhadora e romântica, sofrendo por achar que ninguém a amaria em sua vida, por se ver simples e sem graça. Achava que ninguém nunca veria beleza em seu sorriso torto, em sua risada escandalosa. Foi perdendo a fé no amor e na vida.

O que não sabiam os dois é que um estava à espera do outro, e que quando juntos ficassem, todos os carnavais seriam de alegrias infinitas, e de amor verdadeiro e desinteressado. A alegria que os aguardava era maior do que sonhada por aqueles dois sonhadores.

sábado, 5 de março de 2011

Coberta e carinho.

Naquela manhã acordou bem mais tarde do que o normal. Não iria trabalhar. Ficou de preguiça deitada na cama, ouvindo os carros passarem pela rua, sentindo o calor das cobertas e dos pés de seu amado, que mesmo no frio eram sempre quentes. Deu-lhe um beijo de bom dia bem suave, para não acordá-lo, já que ele deitara tarde, mexendo em coisas para ela, e levantou. Naquela manhã por algum motivo qualquer não queria tomar sua xícara de café. Preferiu um chocolate quente. Sentiu que se seguia um tempo de preguiça, um tempo de ficar em casa, debaixo das cobertas namorando e rindo. Sentiu que seria muito feliz ao seu lado, pra sempre.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sempre você.

Confesso que não escolhi me apaixonar por você. Quando pensei nesta possibilidade, percebi dentro de mim que ela já era realidade. Mas confesso também que se de novo a vida me fizesse escolher, a escolha seria você, e sempre você, até o fim de meus dias. Confesso que não planejei cair de amores por você tão logo, mas quando percebi era só em teus braços que eu encontrava descanso. Não planejei me deixar levar por tantos sonhos, mas quando percebi já sonhava um futuro azul ao teu lado. Sempre sonhei um amor impossível, daqueles de filme, com pausas trágicas na relação e beijos na chuva, e ganhei uma história incontável, um amor imensurável e chocolates embaixo da coberta. Seus talentos, desenhos e gostos me dão uma graça e cores novas à minha vida todo dia. Confesso que teu sorriso faz meu coração saltar e teus carinhos me tiram o ar e o chão. Confesso que sozinha eu não tenho mais força para coisa alguma, e que teu peito é meu porto seguro. Confesso que sem ti não sei mais de mim.

                                                                                 Sem ti eu não vivo.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A ajuda de Deus está próxima.

A fé é o firme fundamento das coisas que se
esperam e a prova das coisas que se não vêem.
Hebreus 11.1

Fé é a crença de que Deus é real e de que Ele é bom... É uma escolha acreditar que aquEle que fez tudo não abandonou o que fez, e ainda envia luz por entre as sombras, e responde aos gestos de fé...
Fé é a crença de que Deus fará o que é certo.
Deus afirma que quanto mais desesperada a sua situação, mais provável a sua salvação. Quanto maiores os seus cuidados, mais genuínas as suas orações. Quanto mais escuro o aposento, maior a necessidade de luz.
A ajuda de Deus está próxima, e sempre disponível, mas é dada apenas àqueles que buscam.

Ele Ainda Remove Pedras  - Max Lucado.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Relatos de guerra.

"Coisas terríveis estão acontecendo lá fora. A qualquer hora do dia ou da noite pessoas pobres e desamparadas são retiradas de suas casas. Não têm permissão de levar nem mesmo uma sacola com alguma coisa e um pouco de dinheiro, e, mesmo quando têm, essas posses lhes são roubadas no caminho. Famílias são rompidas; homens, mulheres e crianças são separados. Crianças chegam da escola e descobrem que os pais desapareceram. Mulheres voltam das compras e descobrem as casas lacradas e que as famílias desapareceram. Os cristãos holandeses também estão com medo porque seus filhos são mandados à Alemanha. Todo mundo anda apavorado. Todas as noites centenas de aviões passam sobre a Holanda a caminho das cidades alemãs para semear suas bombas em solo alemão. Toda hora centenas, ou talvez milhares, de pessoas são mortas na Rússia e na África. Ninguém pode ficar longe do conflito, o mundo inteiro está guerra, e mesmo com os Aliados se saindo melhor, o fim não está próximo. 
E quanto a nós, somos bastante felizardos. Temos mais sorte do que milhões de pessoas. Aqui é calmo e seguro, e estamos usando nosso dinheiro para comprar comida. Somos tão egoístas que falamos sobre "depois da guerra" e ficamos ansiosos por roupas novas e sapatos novos, quando deveríamos estar economizando cada centavo para ajudar os outros quando a guerra terminar, para salvar o que pudermos. 
As crianças deste bairro andam com camisas finas e sapatos de madeira. Não têm casacos, nem capas, nem meias, nem ninguém para ajudá-las. Mordendo uma cenoura para acalmar as dores da fome, saem de suas casas frias e andam pelas ruas até suas salas de aulas ainda mais frias. As coisas ficaram tão ruins na Holanda que hordas de crianças abordam os pedestres para implorar um pedaço de pão.
Eu poderia passar horas contando a você o sofrimento trazido pela guerra, mas só ficaria ainda mais infeliz. Só podemos esperar, com toda calma possível, que ela acabe. Judeus e cristãos esperam, o mundo inteiro espera, e muitos esperam a morte."

O Diário de Anne Frank 

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Chocolates e amor.

Colocou o bolo de chocolate no forno e foi tomar banho. Adorava sair do banho e então ser tomada por aquele cheiro quente de chocolate. Ele ainda não havia chego. Provavelmente algum cliente ligou em cima da hora, pedindo uma alteração idiota em tal banner, ou naquele vídeo que ele levou horas e mais horas fazendo.

Ela sabia que ele ficaria feliz ao chegar em casa e tê-la cheirosa com bolo de chocolate quentinho para sobremesa. Para janta, havia feito a lasanha que ele tanto amava. Estava inspirada naquela noite. Algumas mudanças haviam sido descobertas naquele dia, e ela queria compartilhar. 

Estava radiante de alegria agora.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A Cadeira de Prata.

 " - Morreu - respondeu o Leão tranquilamente, quase como se estivesse satisfeito (foi o que Jill achou). - Ele morreu. Isso acontece muito, como você deve saber. Até eu morri. Há muitos poucos que não morreram.
 - Ah - disse Caspian -, estou entendendo: você está pensando que eu sou um fantasma ou outro absurdo qualquer. Mas pense melhor: eu seria um fantasma em Nárnia, pois de Nárnia não sou mais. Mas ninguém é fantasma em sua própria terra. No seu mundo eu seria um fantasma. Será? Já que estão aqui, talvez aquele mundo também não seja mais de vocês.
Uma grande esperança alvoroçou o coração das crianças. Mas Aslam balançou a cabeça felpuda.
 - Não, meus queridos. Quando me encontrarem aqui outra vez, então ficarão. Agora, não. Precisam voltar ao mundo de vocês por algum tempo. 
 - Senhor - disse Caspian -, sempre quis dar uma espiada naquele mundo. Estarei errado?
 - Você não pode mais querer nada errado, agora que morreu, meu filho - foi a resposta de Aslam -. Poderá espiar o mundo deles durante cinco minutos - cinco minutos do tempo deles."

C.S. Lewis

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Adeus.

Colocou Elvis para tocar propositalmente. Queria a voz dele para acompanhar as letras que enchiam o papel timbrado que tinha em mãos. Num momento triste como esse, nada melhor do que a voz dele para encher o ambiente, e aliviar um pouco a dor, afastá-la um pouco. Era bom tê-lo como companhia.

Sentia-se sozinha agora, mais do que antes, quando ela o tinha ali. Eles haviam se perdido um do outro há tanto tempo, que ela já nem lembrava como era ter alguém se importando com consigo. Ele dizia sempre amá-la, mas nunca demonstrava. Dava-lhe beijos, mas eram frios e distantes. Jurava não querer mais nada na vida, mas nunca estava lá para ampará-la. 

Um dia ela cansou. 
Não mais esperaria beijos verdadeiros ou abraços quentes. Não mais sonharia com o amor que ele dizia dar, e ela queria receber.
Assim partiu. 

Hoje recebia a carta, com a letra daquela música que ele sempre cantarolava pedindo perdão. Sempre pedia desculpas por sua negligência, por sua falta de atenção. Justificava os atos, implorava seu amor. E ali estava ela, lendo aquelas mesmas desculpas, acompanhadas de um adeus definitivo.

Hoje, ele partia.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Como a palma da sua mão.

Os seus sorrisos já não passavam despercebidos, nem seus olhares ficavam sem a correta interpretação. Era fácil demais ser lida por ele. A todo momento, mesmo quando queria esconder o que se passava dentro dela, lá estava ele, com seu olhar já treinado, pronto a analisá-la de cima a baixo, com olhos de águias e sensibilidade de um romântico.

Nada lhe escapava. Às vezes, é verdade, não conseguia distinguir o quê a afligia, mas mesmo assim sabia haver algo. Sentia através dos olhos que perdiam momentaneamente o brilho, ou pelo sorriso que sumia vez ou outra.

Ela não se importava quando diziam que a rotina era perigosa. 
Sonhava todos os dias com a rotina que se seguiria daqui um tempo na vida deles. A melhor rotina que ela poderia desejar. Tê-lo a olhá-la todos os dias, cuidando-a e a amando.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Você se foi.

"Vem você dizer adeus, eu não vou voltar.
Quem nunca quis amar além do medo?
Não vou tentar."

 - Eu quis, juro.
Tentei com todas as forças do meu coração viver aquele possível amor, mas era arriscado demais. Mas mesmo eu te conhecendo bem demais, eu não pude evitar. Eu sabia das qualidades que me faziam rir, mas sabia dos defeitos que fizeram tantos meninos chorar. 

Era incrível a capacidade daquela guria despretensiosa de causar tantas paixões por onde passava, e continuar indiferente a isso. Muitas ela me dizia saber, em meio a risos e gargalhadas. "Tantas já sofreram por ele. Farei ele sofrer agora." E sorria.

Quando eu fui atingido foi mais forte do que todo meu conhecimento dela. 
Todo conhecimento de suas peripécias e (in)sutilezas.

Pena ela ser sempre tão ruim.
Eu consegui amar sem medo. Eu a amei pelo tempo que ela permitiu, e um pouco além. Mas ela se foi. Me sorriu olhando em meus olhos, com os dela cheios de lágrimas, pedindo minha amizade antiga. Só me restava descobrir se eu poderia dar isso a ela ou não.

Agora, conseguir amar de novo, sem medo algum, será difícil.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Difícil assim.

Um tempo de falta do que fazer. Um calor muito além do aceitável pelo seu organismo. Uma grande virada na vida. Um grande sonho no coração. Uns dias de alegria e amor. Uma amiga sempre presente. Crenças permantes, que lhe fazem bem. 

Pensamentos soltos, querendo tão logo sair. Sonhos estranhos à noite. Noite inquieta, acordando várias vezes de sobressalto. Mais feliz consigo mesma ao olhar no espelho. Mais tranquila em relação ao futuro, mesmo tendo pouca coisa mudado até agora. Mais confiança.

Sonhando acordada e acordando no que parecia um sonho. Cheiros marcantes que lhe fazem companhia vez em quando. Aah, cheiros. Queria sentir certo cheiro a todo instante. Sentir o calor querido, a pele macia, a mão suave e morna, os braços carinhosos.

Queria saber como expressar  tudo o que tem dentro de si a todo momento, mas só consegue letrar qualquer coisa por aí.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Outro dia, num outro lugar.

"Sem você ao meu lado eu já não sei.
O que eu faço se você não vai voltar?
Perder você é tão ruim, 
Por que você se foi assim?
Queria ter te encontrado..."

Ir embora não foi fácil.
No aeroporto as coisas se tornavam mais reais e distantes, mas ela sabia que se tivesse deixado-o ir até ali, ela nunca teria conseguido deixá-lo para trás. Nunca teria tido força para entrar naquele avião.

Estava deixando para trás tantos sonhos, tantos planos, sem ter, verdadeiramente, uma previsão de volta. Sabia que os sonhos e planos [os mais importantes deles] permaneceriam ali, esperando-a, firmes e a cada dia mais fortes, mas era difícil demais partir assim. Doía em si saber que causava dor nele, além da sua própria dor da saudade.

Naquele fevereiro as coisas já estavam diferentes, mas tudo cresceu de uma forma inimaginável, além de suas melhores previsões. Todo o amor e carinho. Toda a confiança e necessidade. Eles eram diferentes dos demais casais, e assim sempre seriam, não importava o quê.

Naquele março tanta coisa lhes foi tomada, e eles tiveram que lidar com isso por alguns meses. Na tentativa de matar a saudade, de encurtar a distância, viam os mesmos filmes, ouviam os mesmos álbuns. Scracho era algo sempre presente. Lembrava do que esperava no outro hemisfério, mas apesar disso, trazia lágrimas de dor e saudade. Era difícil demais sem o outro.

 - Quase um ano depois ela ainda derrubava lágrimas ao pensar nas tantas que ele derrubou por ela, por sua ausência. Mas essa marca, esse período, eram prova e testemunha de que eles se amavam loucamente. Foram capazes de enfrentar tudo, coisas que casais de mais data não o são, e ela se orgulhava e alegrava disso. Era bom saber como se amavam, respeitavam e admiravam.

 - Melhor ainda era saber que não mais ficariam longe um do outro.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Alla scoperta della vita.

Naquela noite eu não percebi que algo havia mudado. Tudo pareceu normal, tudo estava como sempre. Mas as mudanças ocorriam por debaixo da superfície, ocorriam onde meus olhos ainda não podiam ver, nem ao menos sentir.

Eu não percebi que em meus olhos havia um brilho novo, que em meu coração havia um fogo que queimava meu corpo inteiro, me aquecendo acolhedoramente. Estranhamente mais feliz, intensamente mais bonita, mesmo que não para mim. Alguém me olhava com outros olhos, olhos que viam e veriam ainda muito mais beleza em mim.

Era como se a vida toda eu estivesse esperando por isso, e só tivesse descoberto no momento em que provei. Era como se eu tivesse nascido para essa mudança.
Isso já era parte de mim.. já podia sonhar com as maozinhas que iria segurar, com o cabelo macio que eu iria acariciar, com os olhos curiosos - azuis ou castanhos - que me olhariam todo dia com um misto de curiosidade e amor. E eu daria muito amor pra ele.

   - De repente, acordei de mais um dos meus doces sonhos.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O tal Mr. Darcy.


" - Não - disse Darcy - ; não tenho tal pretensão. Já tenho muitos defeitos, mas não, espero, de inteligência. Não ouso recomendar o meu temperamento. Creio que ele seja um pouco intransigente demais... Certamente muito pouco para a conveniência do mundo. Não posso esquecer as loucuras e defeitos dos outros com tanta rapidez como deveria, nem as ofensas contra mim. Meus sentimentos não se curvam a todas as tentativas de modificá-los. Talvez o meu temperamento devesse ser chamado de ressentido. Quando perco a boa opinião de uma pessoa, é para sempre."

Pride and Prejudice - Jane Austen

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Sutilmente.


"E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace.
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe."

Essa música tocou em tantos momentos especiais. Mas ainda sentia medo que nos seus momentos de loucura, ele se afastesse subitamente, e descubrisse que não quer mais voltar.

Ela espera sempre de braços abertos por tê-lo de volta.
Espera o carinho e o amor.

Espera o calor e o perfeito encaixe que eles são.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Sofrimentos por amor.

"se Linton fosse a causa de uma única perturbação a mais na vida de Catarina... pois bem, creio que haveria razão para eu chegar aos extremos! Gostaria que me dissesse sinceramente se Catarina sofreria muito se perdesse o marido. É este temor que me retém. E com isso, veja a senhora a diferença que existe entre nossos sentimentos: estivesse ele no meu lugar e eu no dele, embora o odeie com um ódio que me envenenou toda a vida, jamais levantaria a mão contra ele. A senhora pode mostrar cara de quem não acredita, se quiser! Eu nunca o teria banido do convívio de Catarina, enquanto ela mostrasse desejo por ele. No momento, porém, em que seu interesse por ele cessasse, eu lhe arrancaria o coração e lhe beberia o sangue! Mas até aí... se não me acredita é porque não me conhece... até aí eu iria morrendo lentamente, antes de tocar um só fio de cabelo de sua cabeça!"

O Morro dos Ventos Uivantes - Emily Jane Brönte